Letra da Música

Depois de tanto caminhar fazendo o que falaram
Hoje eu tiro meus sapatos que tanto me apertaram
E ao pisar no chão descalço eu pude perceber
Que a proteção me distraia e impedia de ver

O quanto é importante o piso irregular
Que nos faz tomar cuidado sempre que for andar
Pedra, lama e sujeira, prego pontiagudo
fincado e armado na madeira
Obstáculos que mostram o valor que tem
a maciez da grama e o da areia também

Descalço eu vou andar
Por todos os caminhos que a vida me levar
Descalço eu vou tocar
O chão que me mantém e que no fim vai me abraçar
Descalço eu vou andar
Por todos os caminhos que a vida me levar
Descalço eu vou tocar
O chão que me mantém e que no fim vai me abraçar

E a liberdade de fazer, de se mover e repousar
Me fizeram esquecer que era necessário usar
Um sapato apertado, que apesar de proteger
Incomoda e sufoca a nossa forma de viver

Incerto do que é o certo, do jeito que tem de ser
Não há nada de errado em assumir que é você
E os calos se fizeram e a dor virou prazer
Não há sensação melhor do que estar vivo e viver

E o chão que hoje é quente, amanhã pode esfriar
Mas você não vai saber se nunca descalçar, então

Descalço eu vou andar
Por todos os caminhos que a vida me levar
Descalço eu vou tocar
O chão que me aquece e que no fim vai me abraçar
Descalço eu vou andar
Por todos os caminhos que a vida me levar
Descalço eu vou tocar
O chão que me aquece e que no fim vai me abraçar

E os calos se fizeram e a dor virou prazer
Não há sensação melhor do que estar vivo e viver
E o chão que hoje é quente, amanhã pode esfriar
Mas você não vai saber se nunca descalçar, então

Descalço eu vou andar
Descalço eu vou tocar
Descalço eu vou andar
Descalço eu vou tocar